5.5.16

Querido Blogue,

há muito tempo que não vinha cá
aconteceram tantas coisas entretanto
tenho uma nova roomate
é gira que doi, mas larga pelo que se farta
fui à belgica em trabalho antes e depois dos atentados
confesso que temi pela vida
pessoas sairam e entraram na minha vida
conheci outra alma gémea
daquelas que te fazem perguntar
where have you been all my life
pena que é gaja
continuo solteira
mas tranquila
estou na suiça agora
vim em trabalho
3 meses
cheguei no domingo
ainda me estou a habituar
hoje é feriado
e o que é que uma pessoa faz no feriado?
fica em casa
a rebolar entre a cama e o sofa
a ver serie
a ver blogs
a ver videos no youtube
no fim de semana vou passear
espero que não chova
tenho saudades da minha gata
e das minhas pessoas
thank god pela tecnologia
posso falar com elas todos os dias
as saudades diminuem
mas ainda custa um bocadinho

12.2.16

Querido blogue,

Dois anos. Dois anos de friends with benefits. Dois anos de friends with benefits que terminaram hoje. Não vou dizer que não estou triste porque estou.

22.1.16

Querido blogue,

Hoje sinto-me sozinha.
Não mereço que ninguém me faça sentir assim.

2.1.16

Querido Ex,

demorei 3 anos (mais do que 3 anos) para te perdoar. Durante, muito tempo tive este ressentimento dentro de mim, até que percebi que tinha que let go... E assim fiz. Forgive and let it go (perdoa-me os anglicanismos, mas a minha cabeça já está formatada para o inglês). Coincidência ou não nessa altura houve uma mudança na minha vida, um novo emprego que me permitiu deixar aquele outro que aceitei 1 mês antes de teres decidido terminar a nossa relação por causa da distância...essa puta sempre metida entre nós. Acho que passámos mais tempo separados do que juntos, mas na minha cabeça, tínhamos o que era preciso para suportar isso e muito mais. Mas essa ideia só existia mesmo na minha cabeça e por isso culpei-te até à exaustão pelo fim de tudo. Nestes últimos 3 anos defini muito bem o que é que não voltaria a tolerar numa relação. Nunca mais toleraria ciúmes doentios, assim como nunca voltaria a estar com alguém que me obrigasse a escolher entre uma relação e os meus amigos. Nunca mais vou tolerar alguém inseguro, que me envie mensagens de madrugada por causa de um pesadelo parvo e sem fundamento. Nunca mais vou permitir que alguém duvide de mim sem motivos nenhuns para o fazer. E foi seguindo nesta linha de raciocínio que fui construindo o processo mental que me permitiu esquecer-te, ultrapassar o desgosto que me deste e seguir com a minha vida. Mas no outro dia tive uma epifania. Durante muito tempo achei que com o fim da nossa relação tinha aprendido aquilo que não queria numa relação futura. É verdade, mas apenas de um ponto de vista muito egocêntrico. Mas o que é que eu na realidade aprendi que me permitiu tornar uma pessoa melhor? Não precisei pensar muito para descobrir. Lição número 1: Uma relação é feita de expectativas. Expectativas do que a outra pessoa deve ser, expectativas do que a relação deve ser, expectativas para o futuro. Expectativas, expectativas, expectativas. A relação constrói-se tendo como base a gestão das expectativas próprias e da outra parte. Se essa gestão não for bem feita há alguém que vai ficar frustrado e insatisfeito, o que em última análise leva ao fim da relação, pois há um gap entre aquilo que a pessoa recebe e aquilo que a pessoa acha que devia receber. Esta lição leva-me inevitavelmente à conclusão seguinte. Há coisas que não farás por amor. Há um limite para aquilo que estás disposta a fazer pela outra pessoa. O que há primeira vista pode parecer egoísta pois o que nos enfiam pelas gargantas abaixo é que quem ama faz tudo por amor. Mas não é verdade. Todos temos um limite. Uns mais há frente, outros mais atrás. Mas isso significa que há determinadas decisões que podem fazer terminar a relação. Especialmente quando as expectativas não foram bem geridas, quando há uma parte que está frustrada e insatisfeita e quando há determinados limites que não se está disposto a ultrapassar. Durante muito tempo, culpei-te só a ti. Pensava que me tinhas obrigado a fazer uma escolha impossível. E por isso a culpa era tua. Mas fui eu que escolhi assim, fui eu que tomei a decisão. E tu decidiste que não querias viver mais assim, o que é perfeitamente legítimo, mas durante muito tempo não o vi assim. Ambos fizemos as nossas escolhas e essas levaram-nos a seguir caminhos separados. Não me arrependo. Hoje conheço-me melhor, sou uma pessoa melhor, e embora te amasse muito, era um amor miúdo, muito infantil, muito inocente.  Hoje conheço os meus limites, hoje sei até onde poderei ir por amor, hoje conheço-me melhor. Graças a ti tento ser uma pessoa melhor e não cometer os mesmos erros do passado. Uma parte do que sou hoje a ti o devo e por isso também te estou agradecida. Por isso e por tudo o que me mostraste sobre mim que eu desconhecia. Não sou mais aquela miúda super insegura, que achava que nunca iria ser amada. Fizeste de mim uma pessoa forte e mais segura de mim mesma. Demorei muito tempo a chegar aqui. Ainda tenho issues para resolver mas esses é cá comigo e por outros motivos. Não quero continuar a estar zangada contigo. Apesar de este ser um fardo cada vez mais leve, não quero continuar a andar com ele ás costas. Por isso espero sinceramente ter fechado este capítulo em 2015. Bom 2016! Sê feliz.

10.12.15

Miúdo,

eu sei que devia acabar com isto. Eu sei que isto não é saudável para mim. Eu sei que estou apanhada. Eu sei que isto é só sexo. Eu sei que não gostas de mim. Eu sei que não queres uma relação. Eu sei que sou uma idiota. E ainda assim eu queria que isto funcionasse. Eu queria que gostasses de mim. Porque eu sei que há potencial, Mas tu não queres. Eu sei que devia acabar com isto. É demasiado tempo e começa a afectar-me. Eu sei que me mereço mais. Mas também sei se acabo isto fico sem nada. Não que isso seja necessariamente mau. Não tenho medo de estar sozinha. Mas é melhor ter sexo de vez em quando do que não ter nenhum. Mas quero mais que sexo. Quero alguém que esteja aqui quando eu chego a casa. Quero alguém que me mime. Quero carinho. Quero companheirismo. Quero escapadinhas românticas. Quero bebedeiras de caixão à cova. Quero noites com conversas tão boas que nos esquemos das horas. Quero abraços apertados daqueles que nos enchem a alma. Quero rir até me doer a barriga. Quero alguém que me ame e que queira mais que o meu corpo. Quero alguém para partilhar a minha vida. Estou cansada de esperar.

29.11.15

Novo mantra

I am enough.

21.11.15

Querido blogue,

Qual é a duração aceitável de uma relação friends with benefits?

5.11.15

Querido comentador do linkedin,

sou mulher, tenho voz, tenho um cérebro para pensar e espante-se tenho opinião própria. E não peço desculpa por isso. Mesmo que isso  te incomode. Por isso, podes ir chamar leviana ao caralhinho que te foda.

Sim, a minha opinião foi acusada de ser leviana, no meio de um debate sério, em que para além da minha havia outras vozes igualmente críticas, só que...eram de homens.

26.10.15

Querido São Pedro,

dá para parar de mandar chuva ao fim-de-semana, sff? É que a pessoa trabalha e só tem tempo para lavar roupa ao sábado, então é um bocado chato ter de ligar ao meu chefe e explicar que não posso ir trabalhar amanha por não ter cuecas lavadas. Agradecida, sim?

22.10.15

Querido Ex,

tive vontade de te ligar ontem, só para ouvir a tua voz.

12.10.15

Conclusões da insónia de ontem

Para abdicar da minha vida tal como ela é hoje, neste preciso momento, era preciso que a vida a dois se afigurasse como algo melhor do que a vida que já tenho.

11.10.15

Querido blogue,

hoje tive um date. Já não tinha um date há mais de um ano. Não gosto muito de dates. São  coisas sempre um bocado awkward que me fazem lembrar entrevistas de emprego. Especialmente quando uma das partes está mais interessada do que a outra. Lamentavelmente eu não estava a sentir a coisa fluir. Talvez seja problema meu. Quando alguém mostra logo a mão toda, o jogo acaba. Pelo menos para mim. É gira a massagem ao ego, mas não dá luta. É a teoria do quanto mais me bates. É ridículo, mas é verdade. Tipo isto:


25.9.15

A minha mãe diz que eu não tenho os alqueires bem medidos,

e eu tenho de concordar.
Ás vezes esqueço-me que sou mulher e que só peso 50 kg.
Mas fico cega com injustiças e faltas de respeito.
Hoje quase que me meti em trabalhos por causa de uns comentários nojentos proferidos por uns taxistas acerca de uma rapariga que ia a passar.
Um dia destes lixo-me.

10.8.15

Querido blogue,

Os bikinis da canté são feios para xuxu.

2.8.15

Querido Ex

Hoje li isto:

I want to use up a woman so she's ruined for all other men. - Daniel Connelly em P.S I Love you


E fez todo o sentido. 

Acho que o teu amor me arruinou.

28.7.15

Querido blogue,

ignorando o facto que está tudo a casar e/ou prenhe, é muito bom saber que os amigos vão ter um filho e pensar "vou ser tia", mesmo que eles não sejam meus sobrinhos a sério.

20.7.15

Querido Ex

Obrigada por me teres arruinado para sempre.

17.7.15

Coisas que me atormentam

Sessões fotográficas de grávidas.

16.7.15

Querido blogue,

Sou uma idiota.

13.7.15

Querido Blogue,

onde é que eu tenho de me inscrever para encontrar homens decentes em vez de trastes?

10.7.15

Expliquem-me como se eu fosse muito burra

"amanha vou ao Alive"
"o que é que eu hei-de levar vestido?"
(abre o roupeiro)
"ja sei, é isto mesmo, o fato de homem aranha/batman/boneco de peluche assustador"

Querido blogue,

não sei se é dos quase 30 anos que tenho em cima dos presuntos, se é de já ter tido a minha dose de festivais, se é do mau feitio ou da falta de paxorra, se é de ter a mania que sou diferente e não alinho em carneirada, se é de achar que a porra dos festivais estão mediatizados até ao tutano, se é de não achar piada a este gente que vai aos festivais porque é fashion, se é de estar farta da merda das selfies, mas hoje não trocava o meu serão por festival nenhum do mundo, não trocava a pizza, a sangria, a sobremesa e a companhia nice do jantar, para me ensalsichar no meio de 55 mil pessoas. Mas se calhar só não gosto assim tanto de Muse.

Querido blogue

Às vezes (só às vezes) gostava de me contentar com uma daquelas vidas em que tudo segue o ciclo natural das coisas: acabas o secundário, vais para a faculdade, vives la vida louca, apaixonas-te, namoras, acabas a faculdade, arranjas emprego, casas com o namorado por quem te apaixonaste na faculdade, tens 1 filho, tens 2 filhos, divórcio(?), fim. E vives uma vida mais ou menos conformada, mais ou menos feliz, mais ou menos completa, com altos e baixos, mas tranquila no geral. Às vezes gostava de ser normal e não ser tão inconformada, tão insatisfeita, sempre à procura da próxima coisa que me vai completar, mas nunca chega.

30.6.15

Coisas que me atormentam

Pessoas que tratam as outras por "minha Linda" e "minha Querida".

Querido blogue,

Fool me once shame on you.
Fool me twice shame on me.

28.6.15

Mantra do dia, do mês, do ano

vai haver um outro alguém que me ame e trate bem
vai haver um outro alguém que me ouça também
vai haver um outro alguém que faça valer a pena
vai haver um outro alguém que me cante este poema

Da Weasel, Força

15.6.15

Se calhar é melhor assim,

não sabermos nada um do outro a não ser o caminho para os nossos corpos.
não falarmos a não ser para saber quando nos vamos encontrar.
não nos vermos a não ser para cumprir os propósitos do desejo.
Assim não penso em ti
a toda a hora a todo o instante,

só as vezes, 

de manhã no chuveiro eu a sorrir e a lembrar-me dos nossos corpos nus a escorrer água, tu a lavares-me as costas e a contar historias de balneário.
quando  vou a conduzir sem pensar em nada, os olhos que batem na ponte que me leva a ti, e uma vontade de virar a direita em direcção a ti.
quando vou fumar um cigarro, as memórias olfactivas do cigarro que partilhámos à janela da minha sala a voltarem, os nossos corpos ainda ofegantes, as pernas bambas e o cabelo desgrenhado.
quando me vou deitar e bato com os olhos no teu relógio em cima da mesinha de cabeceira,

o cabrão do relógio, 

todos os dias ali a olhar para mim,
a lembrar-me de ti de manhã ao acordar, à noite ao deitar,
a lembrar-me que se calhar é melhor assim não falamos mas, a desejar secretamente que seja hoje  o dia em que vais falar comigo.

1.6.15

Querido Blogue,

comprei um tapete de fitness. Descarreguei umas apps de exercicios de força e posições de yoga. Abasteci-me de comidinha saudável. Pela primeira vez aos fim de várias semanas cozinhei comida a sério, em vez de comida de aquecer e por no forno. Estou decidida a ser mais saudável. E organizada. Para já ainda não está a correr muito bem, porque já devia estar na cama e e ainda tenho o resto da cozinha por arrumar. Baby-steps. Eu chego lá.

15.5.15

Querido Blogue,

ás vezes (só ás vezes...) acho que nunca mais vou conseguir amar alguém. Porque o para sempre deixou de ser para sempre. Porque nunca mais vou conseguir acreditar que o amor supera tudo, move montanhas, nunca desiste. Porque o amor acaba, as pessoas desistem e as relações acabam. E quando isso acontece todas as promessas, toda a esperança e todas as projecções para o futuro se transformam numa mão cheia de nada. A inocência e a ingenuidade do primeiro amor nunca mais se vão recuperar. E até posso voltar a amar, mas lá no fundo acho que vou estar sempre à espera do momento em que o para sempre deixa de ser para sempre, para passar a ser só até ao momento em que se ouvem as palavras: temos de falar.

10.5.15

Querido Blogue,

fui adicionada no face por uma pila.