5.10.18

Querido Blogue,

Dei comigo a percorrer exactamente o mesmo caminho que iniciei há um ano atrás.
Para mim o ano começa em Setembro. Setembro é o mês de recomeços, é o mês dos planos, é o mês das resoluções. Em Setembro do ano passado predispus-me a sair com pessoas. Diz-se que nunca nada de bom veio das zonas de conforto e eu saí da minha. Coisas boas aconteceram, coisas menos boas aconteceram também. Saí e conheci um monte de pessoas novas. Apaixonei-me. Mas também se diz que o que tem de ser tem muita força e neste caso não tinha de ser. Curei um coração partido e parti para outra. Diverti-me. Mas depois de ter dado guia de marcha aos outros dois moços dei comigo no Tinder outra vez. E no início aquilo é divertido. Mas depois apercebi-me que estava a ter as mesmas conversas de há um ano atrás. E que um ano depois estava exactamente no mesmo ponto. Fazer swipe, começar uma conversa, trocar numeros, beber um copo. E percebi que este era um caminho que eu não queria percorrer outra vez. Apaguei o Tinder. Voltei à estaca zero. Começar de novo. Olá Outubro.

11.9.18

Querido blogue

Mudei de emprego duas vezes e trabalhei em 3 sítios diferentes
Fiz uma pós graduação
Vivi na Suiça
Tirei um curso de inglês
Andei no ginásio
Fui a festas, festivais de verão, jantares onde só conhecia uma pessoa
Fui a Amesterdão, Madrid, Bruxelas, Estocolmo, Paris, Cork, Lausanne, Basel, Barcelona e Nova Iorque
Aderi ao tinder contrariada
Conheci centenas de pessoas novas
Cruzei a vida de milhares de pessoas

E nestes 6 anos não conheci ninguém que me enchesse as medidas, que me quisesse, que valesse a pena, que funcionasse. Estou um bocado saturada de estar sozinha. Sei que isto são as hormonas a falar e a TPM a fazer das suas, mas estou um bocado cansada de olhar para todos os lados e não ver ninguém com quem me apeteça partilhar a vida ou construir uma vida a dois.

Ja esperei que caisse do céu e hnão caiu. Já me fiz à vida e fui procurar e também não aconteceu.

Melhor conformar-me que não vai acontecer e adoptar gatos. Esses ao menos amam-me enquanto lhes limpar a caixa e lhes der comida.



9.9.18

Querido Blogue,

Dei guia de marcha aos moços.
Voltei ao tinder.
É o terror.

21.7.18

Querido blogue,

De que me serve andar com dois, se nenhum deles me leva a passear ao sábado à tarde?

2.7.18

Querido Blogue,

Ando a brincar com o fogo. Tenho dois amores e não sei de qual gosto mais. Não são bem dois amores, são dois potenciais candidatos a terem um pequeno espacinho na minha vida. Mas faço desde já o disclaimer que não ando a enganar ninguém. Num deles já molhei a sopa. No outro ainda não. Nenhum deles sabe que o outro existe, mas também não têm de saber. Não me sinto nem um bocadinho mal com isso. Mas ando aqui a entreter dois moços até que me decida por um. Ou por nenhum. Ou se calhar fico com os dois. É as vantagens de nunca de assumir uma relação. Nunca me tinha apercebido disso.... Nesta era dos tempos modernos em que não se está, fica-se. Em que não se namora, anda-se. Tudo é cinzento e indefinido, um chove mas não molha. Não se assumem compromissos, logo não se trai. Não tendo uma relação com nenhum deles, não estou a trair ninguém, ou estou?

30.5.18

Querido Blogue,

Ontem vi um jovem casal a discutir e a agredir-se mutuamente com empurrões e safanões. Antes que a Conceição Lino saísse detrás de um arbusto de microfone em riste chamei a polícia. A polícia veio e falou com o casalinho. Primeiro juntos depois separados. Desconheço o que a polícia lhes terá dito. No fim o casalinho foi-se embora junto. Ela subjugada debaixo do braço dele, ele a rir-se. Eram garotos ainda, não deviam ter 20 anos sequer. Não me espanta que ela um dia destes leve umas bofetadas e apareça com um olho negro. Começa sempre assim. Primeiro com palavras, depois com empurrões e vai escalando. Custa-me ver duas pessoas tão jovens a acharem normal este comportamento numa relação. Eu fiquei de consciência tranquila por ter feito o meu papel. Mas não consigo deixar de me angustiar com o que vai ser daquela miúda.

29.4.18

Querido blogue,

Tenho uma amiga que me apetece esbofetear com um panfleto dos direitos das mulheres cada vez que ela coloca um foto da filha pequena a segurar um aspirador ou uma vassoura de brincar com a legenda "é de pequenino que se começa" ou "a minha ajudante". Que ódio, senhores, por estas mulheres que perpetuam o esteriótipo que tarefas domésticas são coisas de mulher!

23.4.18

Querido ex-something,

Faz hoje uma semana, saí de casa dos meus pais após o almoço de domingo a chorar. Fiz o caminho todo para casa a chorar desalmadamente enquanto conduzia. Fui inclusive dar uma volta maior para arejar a cabeça. Chorei por todas as coisas que não deram certo nos últimos tempos. Claro que tu não podias saber disto quando enviaste mensagem. O meu coração parou de bater por uma fração de segundo quando vi a notificação. Quando apareceste cá em casa não estava a espera que o fizesses. Mas vieste. Não sei porque vieste. Os motivos pelos quais fazes as coisas são absolutamente insondáveis para mim. Quando perguntaste o que é que eu esperava de ti, a minha resposta foi "Nada" porque realmente não espero nada de ti. Deixei de esperar o que quer que fosse em Dezembro do ano passado. E ali estavas tu, sentado no banco da minha cozinha a comer-me com os olhos. Quando nos beijámos abriu-se em mim uma centelha de esperança. E durante 2 dias fui feliz. Mas eu não vivo bem no limbo. Por isso forcei. E pela primeira vez pedi que me escolhesses a mim. E mais uma vez os teus motivos a  serem insondáveis para mim. Por isso na terca feira estava numa sala de cinema a desfazer-me em choro enquanto via um filme sobre a magnifica Chavela Vargas. E chorei, chorei, chorei, chorei...e te garanto que foi a última vez que chorei por ti. Como canta a diva:
"No volveré
Te juro por dios que me mira
Te lo digo llorando de rabia
No volveré"
Adeus.

17.4.18

Querido blogue,

No que a homens diz respeito, só atraio gente que me causa miséria emocional.

12.4.18

Querido blogue,

I am enough.

(se eu tivesse paciência, isto seria um repost. Mas não tenho e de vez em quando preciso de me lembrar disto)

I am enough.

2.4.18

As coisas que a minha cabeça me diz

O medo da rejeição. O medo de que ninguém me queira. O medo de nãser suficiente. O medo de ser uma piada. O medo de me expor. O medo de me dar. O medo da humilhação. O medo de ser um falhanço. O medo de existir. O medo. O medo. O medo.